COBERTOS DE ALEGRIA SEM FIM… (Is 35,1-6a.10) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

adventoÉ muita conhecida a bela composição de Carlos Lyra e Vinicius de Moraes, intitulada “Marcha da Quarta-feira de Cinzas”. A letra começa assim: “Acabou nosso carnaval / Ninguém ouve cantar canções / Ninguém passa mais / Brincando feliz / E nos corações / Saudades e cinzas / Foi o que restou…”
Tal como os teólogos, também os poetas nos transmitem verdades sobre Deus e sobre o homem. Neste caso, estamos diante de uma realidade inegável: as alegrias do mundo duram pouco. Após três dias intensos de folia, de ruído e de farra, que foi que restou? “Saudades e cinzas”…
Ora, será para este tipo de efêmera alegria que fomos chamados à existência? Não será possível experimentar uma alegria permanente, estável, definitiva? A liturgia deste 3º Domingo do Advento nos garante que sim! A alegria de Deus está à nossa disposição. Aos braços cansados e aos joelhos vacilantes, a voz do profeta clama: “Coragem! Nada de medo! Aí está o vosso Deus!”
Esta é a mensagem dirigida a quem se põe de vigia, à espera do verdadeiro Natal. Não o Natal capitalista das árvores cheias de presentes, não o Natal consumista do Papai Noel. Falo do Natal simples e pobre, mas luminoso e alegre, da gruta de Belém. O que faz a alegria permanente não são as festas dos palácios, não são as roupas finas dos cortesãos, mas a presença de Jesus no meio de nós.
Neste caso, a palavra “alegria” se distancia cada vez mais do ruído e da agitação, dos fogos de artifício e das fieiras de lâmpadas, mas se manifesta como paz interior, harmonia do ser, a certeza de ser amado.
Sim, o Menino na palha de trigo é o Filho de Deus que se encarna, nasce de Mulher e vem até nós, para deixar bem claro, de maneira cabal e sem reservas, a que ponto nós somos amados pelo Pai dos céus.
Como diz François Trévedy, “o Senhor está próximo, e é esta proximidade, sobretudo e em tudo, que é propriamente deliciosa, desde que tenhamos os sentidos espirituais bastante exercitados para pressenti-la, além dos véus tantas vezes adotados…” Por isso escreve o apóstolo Pedro: “Sem o terdes visto, vós o amais; sem o ver ainda, credes nele e exultais com uma alegria indizível e cheia de glória”. (1Pd 1,8)
Os paramentos roxos do Advento são trocados por uma tonalidade rósea, alusão à aurora que anuncia o dia pleno, quando o Sol da Justiça – Jesus – brilhará sobre todos…

Orai sem cessar: “Alegre-se o coração dos que buscam o Senhor!” (Sl 105,3)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s