DEBAIXO DAS ASAS… (Lc 13,31-35) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

galinhaEste é um Evangelho pungente, a revelar-nos a profunda sensibilidade humana do Filho de Deus que nascera de Mulher. Jesus antevê a ruína e a desolação que virão sobre a Cidade Santa e lamenta sua recusa em acolher o Enviado do Pai.
Mais uma vez, Jesus vem utilizar imagens simples, coisas do cotidiano, para expressar sua visão das coisas. Desta vez, para expressar seus cuidados com o povo de Israel, o seu afeto por Jerusalém, ele se compara a uma galinha que chocou seus pintainhos e, zelosa e atenta, envolve-os na proteção de suas asas.
A imagem das asas divinas estendidas sobre o Povo Escolhido reaparece aqui e ali na Escritura Sagrada. O “Cântico de Moisés” (Dt 32) fala da atitude de Deus para com seu povo: “Qual águia que desperta a ninhada, esvoaçando sobre os filhotes, também o Senhor estendeu suas asas e o apanhou, e sobre suas penas o carregou”.
O salmista retoma a mesma imagem: “Os homens se refugiam à sombra de tuas asas”. (Sl 36,8b) E ainda: “Vou morar na tua tenda para sempre, à sombra de tuas asas encontrar abrigo!” (Sl 61,5) E o profeta o repete: “Mas para vós que tendes o meu temor, o sol da justiça há de nascer, trazendo o alívio em suas asas!” (Ml 3,20)
Jesus não fala de águias nem de outras aves nobres, conhecidas pela força, pela agressividade. Humilde e manso, Jesus prefere a figura das galinhas, mães excelentes, notáveis protetoras. É a sua maneira de manifestar ternura e aconchego. De sugerir aproximação a todos nós.
Lev Gillet publicou um pequeno livro – “Amour sans Limites” – em que ele imagina Jesus Cristo que se dirige ao leitor com palavras da mais terna intimidade. E ele nos convida: “Meu filho, no começo existiu – e existe sempre – um Coração, um Coração que não cessou de bater pelos homens, de pulsar por ti. Queres dar-me teu coração?”
E se adianta ainda mais: “Dá-me teu coração. Meu filho, é o universo inteiro que assim grita para ti. É todo o sofrimento humano, toda a humana abertura de boa vontade, todos os espasmos humanos que têm necessidade de que tu compreendas e intercedas, por mais indigno que sejas. Não ouves este grito?”

Orai sem cessar: “Senhor, eu me abrigo à sombra de tuas asas!” (Sl 57,2)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s