TU QUE CRESTE… (Lc 1,39-56) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

abraçoEntre a Anunciação – quando o anjo Gabriel visita a Virgem de Nazaré – e a Natividade – com a visita do Messias Salvador à humanidade -, o Evangelho de Lucas situa esta Visitação que o Evangelho de hoje nos reapresenta. De um lado, Isabel, representante da Primeira Aliança; do outro, Maria, a primeira mulher da Nova Aliança, já portadora do Messias em seu ventre sagrado.
Quando ouvira as palavras do Mensageiro divino, ao responder com seu “faça-se em mim”, Maria realizava o mais pleno ato de fé: a fé no impossível, acentuado pelo anjo: “Pois nada é impossível para Deus” (Lc 1,37). E Gabriel anexava um “sinal” às suas palavras: a gravidez tardia da estéril Isabel, outro impossível aos olhos humanos.
Quando Maria sai “às pressas”, rumo aos altos da Judeia, o “serviço” que ela poderia prestar à parenta idosa não era de modo algum o motor principal de sua viagem. Acima de tudo, Maria ia conferir o sinal que lhe fora dado. Um ato de fé complementar ao primeiro ato, mas simultaneamente a manifestação de notável bom senso, que não fica navegando entre as nuvens, mas tem os pés no chão da realidade.
Uma placa na estrada só tem sentido se de fato existe o lugar por ela apontado. E é ali, na casa de Zacarias, que o sentido se manifesta com meridiana clareza. Isabel é iluminada pelo Espírito de modo a identificar na jovem visitante aquela que Deus escolhera para ser a Mãe do Salvador. O próprio filho de Isabel, ainda na vida pré-natal, se agita na alegria gerada pela aproximação daquele que João Batista iria apontar como o Cordeiro de Deus.
Esta cena da visitação é conhecida pelos cristãos do Oriente como “Aspasmós”, isto é, o “abraço”. O Antigo Testamento abraça o Novo. A esperança nas promessas abraça o seu cumprimento. A aurora abraça o novo dia, ainda que o Sol nascente (cf. Lc 1,78) superasse ao infinito todas as nebulosas expectativas do passado.
Repleta do Espírito, Isabel proclama: “Bem-aventurada tu, que creste, pois se hão cumprir as coisas que te foram ditas da parte do Senhor”. O segredo do Rei, que Maria não iria revelar nem mesmo a José, é sussurrado pelo Espírito ao coração de Isabel. E assim Maria de Nazaré tem a confirmação de que não apostara em alguma ilusão, mas caminhava em terreno firme. O único terreno firme em nosso planeta: o território da fé.
A festa litúrgica da Visitação deve ser para nós um convite a apostar na fé. Acima dos impossíveis e além das evidências, nós recebemos uma Palavra que nos interpela: é pegar ou largar…

Orai sem cessar: “Terei confiança no Senhor!” (Is 8,17)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s