COMO CRIANCINHAS… (Mt 18,1-5.10) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.


images
Então, existe uma condição para entrar no Reino dos Céus. Jesus não lhe dá um nome, mas fornece uma imagem: a criancinha [no texto grego, ta paidía]. Hoje, somos movidos a pensar na “criancinha” com os atributos de delicadeza, ternura, suavidade. Não era assim para os coevos de Jesus…
Na sociedade palestina daquele tempo, a criança era apenas um “zero à esquerda”. Sequer eram computadas nos recenseamentos. Na multiplicação dos pães, registram os próprios evangelistas, comeram milhares de pessoas, “sem contar mulheres e crianças” (cf. Mt 15,38).
Este aspecto nos ajuda a “traduzir” mais de perto a imagem que o Mestre nos dá como condição para “entrar”, para não ficar de fora, “nas trevas exteriores” (cf. Mt 8,12)… A criancinha é frágil, fraca, não confia em si mesma, e tudo espera dos pais. Agora, podemos acompanhar a reflexão de Isaac, o Sírio [Séc. VII]:
“Quando o homem rejeitou todo socorro visível e toda esperança terrestre, quando ele segue a Deus na fé e com um coração puro, a Graça logo o acompanha e lhe manifesta seu poder, assistindo-o de muitas maneiras. Ela o protege como a ave que estende suas asas sobre os filhotes para nenhum mal lhes aconteça. Desde então, ele entende que, seja coisa grande ou pequena, tudo deve ser pedido a seu Criador em oração.
Quando a Graça divina confirmou seu coração em todas essas coisas, porque ele se confiou a Deus, então ele começa, pouco a pouco, a entrar nas provações. É que fora das provações não lhe é possível chegar à sabedoria nos combates espirituais, nem conhecer Aquele que provê sua vida, nem sentir seu Deus e ser secretamente confirmado em sua fé. Ele precisa receber a força da experiência.
Quando, enfim, a Graça vê que a presunção, por pouco que seja, se infiltrou em seu pensamento e ele começa a ter uma idéia elevada de si mesmo, ela logo permite que se reforcem e se intensifiquem as tentações que o assaltam, até que ele aprenda sua fraqueza, se refugie em Deus e a Ele se apegue na humildade. […] De fato, quando o amor de Deus lhe é dado no meio das desventuras que quebram a esperança, aí é que o homem conhece que maravilha é este amor para ele.”
Já que é assim, melhor ser como as crianças…

Orai sem cessar: “Como criança no colo da mãe, assim é minha alma…” (Sl 131,2)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s