EU TE DAREI AS CHAVES… (Mt 16,13-19) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

PEDRO1Um Evangelho denso, rico de informação. No centro de tudo, a proclamação de Jesus como o Cristo, o Filho de Deus. Estamos bem no coração da Boa Nova!
Enquanto a multidão divaga e tem dificuldade em apreender o mistério que se oculta sob a pessoa do Rabi da Galileia, o velho pescador – sem nenhum apoio em sua própria (e limitada) natureza humana – recebe do Espírito Santo as luzes interiores para identificar seu Mestre como o Messias esperado por Israel. E vai além: Jesus é o Filho de Deus!
É suficiente para que Jesus defina o Apóstolo Pedro como a “rocha” – fazendo um jogo de palavras com o termo aramaico kefas (= pedra, rocha, equivalente ao latim petra, Petrus). Se Jesus é a verdadeira “pedra angular”, ele deixará a Pedro como a “rocha” da Igreja, seu corpo místico. A profissão de fé de Pedro é suficiente para que o Senhor o coloque à frente da Igreja. Vale notar que o Evangelho de São João registra esta “missão” petrina desde o primeiro encontro com o Mestre (cf. Jo 1,42).
O símbolo das “chaves” aponta para uma faculdade ou poder que Jesus Cristo entrega nas mãos da Igreja, centrada na figura de Pedro: ligar e desligar, fechar e abrir. Após a ressurreição (cf. Jo 20,23), Jesus será ainda mais claro, referindo-se ao poder de perdoar (ou não) os pecados. Com as “chaves” nas mãos, os herdeiros do ministério apostólico podem abrir os tesouros de Cristo confiados à Igreja e distribuí-los entre os fiéis. Ao cortar os laços que prendem ao pecado, com a absolvição, reconciliam os pecadores com a Igreja. Podem também definir quem está ligado, ou não, ao corpo de Cristo.
Obviamente, não se trata de um poder discricionário, a ser desempenhado com arbítrio e despotismo. Ao contrário, o “poder das chaves” constitui um permanente serviço à Igreja e à humanidade, alvos do amor entranhado do próprio Senhor. Quando os sucessores de Pedro assumem sua cátedra, passam a exercer um serviço pastoral, mas também uma “autoridade” para governar a casa de Deus (cf. Catecismo da Igreja Católica, 553), que é a Igreja, tomando decisões de caráter doutrinal e disciplinar.
Filhos rebeldes sempre reclamam da autoridade paterna. Filhos obedientes experimentam sempre mais os tesouros da ternura e da misericórdia. Qual é a minha atitude em relação à Igreja?

Orai sem cessar: “Tu é o Cristo, o Filho do Deus vivo!” (Mt 16,16.)

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s