NÃO SABÍEIS? (Lc 2,41-51) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

icm1Foi com esta pergunta que o adolescente Jesus respondeu à interrogação de sua Mãe: “Por que agiste assim conosco?” Ele acabara de celebrar o seu “bar mitzváh”, o rito de maioridade do jovem judeu. Na Jerusalém inflada pela turba de peregrinos em plena Páscoa, que podiam chegar a 500.000, o menino (ou o jovem adulto?) perdeu-se dos pais por três longos dias, templo de angústia e aflição para Maria e José. Foram encontrá-lo, por fim, entre os doutores do Templo, com perguntas e respostas que deixavam a todos de queixo caído.
“Não sabíeis – interroga Jesus – que devo estar naquilo que é de meu Pai?” Não posso deixar de perceber uma leve reprimenda nas palavras do filho. Como se sugerisse: “Depois de tanto tempo, ainda não percebestes?”
Esta cena que mescla a alegria do reencontro e a agonia da perda, um episódio pungente de humanidade, deixa bem visível o clima de família que se experimentava em Nazaré. José, Maria e Jesus vivendo as coisas mais simples e mais chãs da realidade familiar, como gente comum, sem que nada os distinguisse dos vizinhos e dos membros de clã.
Lucas deixa claro que os pais não entenderam o comportamento nem as palavras do filho. A “descoberta” do verdadeiro Jesus não se faz de repente, mas exige um longo itinerário de aproximação e revelação.
“Não sabíeis?” E deviam saber? – pergunto eu… Ora, não é fácil para os pais perceber a verdadeira vocação dos filhos. Nossa tendência natural é a de enquadrar o filho em possibilidades previsíveis, “engavetando-o” no óbvio, no provável, em nossas preferências e comodidades.
Ora, todo filho é uma surpresa. Os filhos nos são dados para virar nossa vida de cabeça para baixo, impelindo-nos a novas visões, novas descobertas, novo potencial humano. Quanto sofrimento os pais experimentam (e provocam) quando tentam forçar os filhos para um caminho seguro, estável, “garantido”, com medo da novidade e dos imprevistos!
Hoje, a Igreja celebra o Coração de Maria. Coração materno, com as pulsações que Jesus acompanhara desde a vida pré-natal. E não terá sido fácil para ele preparar e realizar as rupturas que sua missão lhe impunha. O episódio do Evangelho de hoje é apenas o primeiro quadro de uma Via-Sacra que incluiria a morte de José, a partida de Jesus para a vida pública e, no ponto final e mais alto, a cruz do Calvário, onde a Mãe fez a derradeira entrega de seu Filho.
E nós? Já sabemos? Na oração e no silêncio (não há outro meio!), Deus fala ao nosso coração para revelar, passo a passo, a vocação e a missão que reservou para nós. Como pais, como operários do Reino, como pecadores chamados à santidade, permaneceremos na obscuridade se a luz divina não mostrar o caminho…

Orai sem cessar: “Mostra-me, Senhor, o teu caminho!” (Sl 27,11)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s