COMO EU VOS AMEI… (Jo 15,12-17) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

CRUZ 3Amar não é fácil. Já que o amor não consiste em usar o outro para meu prazer… Nem ser o centro das atenções de alguém… Nem experimentar arrepios e devaneios românticos…
Amar não é fácil, pois a natureza humana degenerada pelo pecado é incapaz do verdadeiro amor se não for regenerada pela Graça divina. Entregue a mim mesmo, sem a Graça, eu sou o lobo do homem…
Ora, não bastasse esta dificuldade “natural” nos indivíduos de uma raça ferida, vem o Senhor Jesus e nos espreme contra a parede com um imperativo extremo: “Amai-vos uns aos outros… COMO EU vos amei”! E COMO foi que Jesus nos amou?
– Até a morte. E morte de cruz!
No capítulo 13 de seu Evangelho, o discípulo amado anotou que, tendo chegado a hora de Jesus passar para o Pai, “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim”. (Jo 13,1)
Até o fim? Esta cláusula pode ser entendida em sua dimensão temporal, mas expressa também a plenitude máxima da capacidade de amar. Isto é, Jesus não teve meias-medidas em seu amor. Não estabeleceu condições para amar. Não manteve uma área de reserva pessoal. Não amou à espera de alguma contrapartida.
De fato, o amor de Jesus não se limitou a Maria e José. Seu afeto não estacionou no grupo dos discípulos fiéis, mas incluiu a covarde negação de Pedro e a traição asquerosa de Judas. No momento de sua prisão, Jesus “cola” de novo a orelha de Malco que a espada decepara (cf. Lc 22,50-51; Jo 18,10), beneficiando um de seus perseguidores. Já cravado no madeiro da cruz, Jesus ainda roga ao Pai que perdoe seus carrascos (cf. Lc 23,34).
Lev Gillet põe estas palavras na boca de Cristo, o amoroso: “Meus bem-amados, eu quero revelar-vos minha essência, minha presença, e tornar ativa em vós uma visão de mim mesmo. Eu sou o Amor sem limites. Não conheço limite algum no tempo. Não conheço limite algum no espaço. Não há lugar onde eu não me encontre. Não há momento algum onde eu não exprima o que sou. […] Amados meus, ajustai vossos sentimentos ao sopro, ao toque divino. Sede as cordas vibrantes que transmitem meu Amor sem limites”.
Não admira que Teresa cantasse: “muero porque no muero…”

Orai sem cessar: “O amor é forte como a morte!” (Ct 8,6)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s