DA NUVEM SAIU UMA VOZ… (Mc 9,2-10) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Com. Católica Nova Aliança.

transfA nuvem é um símbolo bíblico cheio de significado. Na Primeira Aliança, foi numa nuvem que o Senhor Yahweh acompanhou seu povo durante o êxodo, a caminho da Terra Prometida (cf. Ex 13,21). Assim o Senhor – inacessível e fora do alcance humano – ao mesmo tempo se mostrava e se escondia. Agora, já encarnado o Verbo na pessoa de Jesus, aquele que os homens veem e tocam parece apenas humano. É preciso que a voz do Pai, vinda do alto, isto é, da nuvem, faça a Pedro, Tiago e João a revelação da divindade de seu Mestre.
Não se trata de uma revelação aleatória, manifestação espetacular do poder divino, mas ela é dada como uma espécie de vacina para o inevitável escândalo da cruz que se aproxima. A glória do Tabor previne contra a humilhação do Calvário. Para os três apóstolos, a plena visão inefável e inacessível da própria divindade, na expressão do Papa Leão Magno [395-461 d.C.] – visão reservada aos corações puros na vida eterna – estava fora do alcance, pois seres revestidos de uma carne mortal de modo algum poderiam vê-la ou contemplá-la.
Neste Evangelho, uma voz sai da nuvem para anunciar: “Este é meu Filho bem-amado. Escutai-o!” Leão Magno comenta: “Sem dúvida, o Pai estava presente no Filho. Mas, para pôr em evidência a propriedade de cada pessoa, a voz vinda da nuvem anunciou o Pai aos ouvidos, assim como o esplendor emanado do corpo revelou o Filho aos olhos. Ao acento dessa voz, caindo por terra, os discípulos ficaram amedrontados, tremendo não apenas diante da majestade do Pai, mas também da majestade do Filho”.
O Bispo de Roma, que enfrentou os hunos de Átila, põe estas palavras no boca do Pai: “Este é meu Filho, para o qual ser de mim e estar comigo é uma realidade que escapa ao tempo, pois nem aquele que gera é anterior ao gerado, nem o gerado é posterior àquele que o gera. Este é meu Filho, que a divindade não separa de mim, que o poder não divide de mim, nem a eternidade o distingue de mim. Este é meu Filho não adotivo, mas próprio; não criado de outra forma, mas gerado de mim; não de uma outra natureza e tornado comparável a mim, mas da minha essência e nascido igual a mim. Este é meu Filho, que, permanecendo na condição de minha glória, e para executar nosso comum desígnio de restauração do gênero humano, abaixou a imutável divindade até a condição de escravo.”
A rigor, não deveria ser a suprema humilhação da Paixão e morte de Jesus Cristo o justo motivo de nosso escândalo, mas a Encarnação pura e simples de um Deus que se faz homem para salvar a humanidade de dentro para fora.
Assim, o Pai poderia dizer: “Escutai-o sem hesitação, pois ele é verdade e vida, ele é meu poder e minha sabedoria. Por que tendes medo de ser resgatados? Por que, feridos, temeis ser curados? Seja feito aquilo que o Cristo quer, como eu também o quero!”

Orai sem cessar: “Escutarei o que diz o Senhor!” (Sl 85,9)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s