TOME A SUA CRUZ… (Lc 9,22-25) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

cruz2Em tempos de facilidades e de prazeres prêt-à-porter, quando os fornecedores nos convidam à lei do mínimo esforço, esta é a frase do Evangelho que nos parece mais antipática e fora de moda: tomar sua cruz… Desde o início da pregação cristã, a cruz foi objeto de escândalo.
Exatamente o sinal de nossa salvação – a Santa Cruz, que a liturgia chama de arbor nobilis [árvore nobre] – torna-se para o mundo neopagão o símbolo de tudo o que é pesado e detestável. No fundo, enganamo-nos ao pensar que iríamos arrastar a cruz sozinhos, apenas com nosso próprio esforço e suor.
Santo Agostinho [+430] já havia tratado do tema:
“Se alguém quer caminhar em meu seguimento, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Isto que o Senhor ordenou parece duro e penoso! Mas, na realidade, não é duro nem penoso, porque aquele que ordena é o mesmo que ajuda a realizar o que ele ordena.
Pois também é verdadeira a palavra do Salmo: ‘Por causa das palavras de teus lábios, eu segui caminhos penosos’. (Sl 17,4.) E é igualmente verdadeira a palavra que ele mesmo pronunciou: ‘Meu jugo é fácil de levar, e meu fardo é leve’. (Mt 11,30.) Pois tudo o que é duro no mandamento, o amor o torna fácil.
Que significa ‘tome a sua cruz’? Que ele assuma tudo o que é penoso: que assim ele me siga. Pois, quando ele começar a me seguir conformando sua conduta aos meus mandamentos, haverá muita gente para o contradizer, muitos para se oporem a ele, inúmeros para o desencorajar. E estes agirão assim a título de companheiros de Cristo. Eles caminhavam com Cristo, esses mesmos que impediam os cegos de gritar. Quer se trate de ameaças, de adulações ou proibições, se queres seguir a Cristo, troca tudo isso pela cruz; tem paciência, suporta, não te deixes abater!
Esta palavra não é destinada às virgens, excluídas as mulheres casadas; às viúvas, excluídas as esposas; aos monges, excluídos os maridos; aos clérigos, excluídos os leigos. É toda a Igreja, todo o corpo, todos os seus membros, diferenciados e repartidos segundo suas tarefas próprias, que devem seguir a Cristo.”
Este não é o tipo de sermão que recebe aplausos de uma numerosa assembleia, reunida em ondas de louvores abstratos. Ele dói por sua clareza, incomoda por sua exigência, decepciona por sua verdade.
Nosso tempo não se destaca pela lógica, é bem verdade… Mas é um notável absurdo a pretensão de seguir o Crucificado jogando no lixo a própria cruz…

Orai sem cessar: “O Senhor redobra o vigor do fraco.” (Is 40,29)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s