COMO UM GRÃO DE MOSTARDA… (Mc 4,26-34) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

38-Ordinario-11Como de costume, Jesus dirige nosso olhar para algo concreto com a intenção de significar algo impalpável: o Reino dos céus. Já falou dos lírios dos campos, da erva que murcha, das aves dos céus, do fermento na massa. Agora, quer que passemos a contemplar a mínima semente: o grão de mostarda.
São João Crisóstomo [344-407 d.C.] comenta esta parábola: “Que há de maior que o Reino dos céus? Que há de menor que um grão de mostarda? Como pode Jesus comparar esse Reino infinito a um minúsculo grão de mostarda, que ocupa tão pequeno espaço? Entretanto, quando examinamos atentamente o Reino dos céus e o grão de mostarda, descobrimos quanto é justa e natural esta comparação.
O Reino dos céus, evidente, não é outra coisa senão o Cristo, pois ele diz de si mesmo: “Eis que o Reino de Deus está no meio de vós”. (Lc 17,21) Ora, nada é maior que Cristo em sua divindade, como nos ensina a palavra do profeta: “É ele o nosso Deus; nenhum outro lhe é comparável. Ele descobriu os caminhos do conhecimento e os confiou a Jacó, seu servidor, a Israel, seu bem-amado. Assim a Sabedoria apareceu sobre a terra e viveu entre os homens”. (Br 3,36-38)
Por outro lado, que há de mais pequenino que o Cristo em sua encarnação, quando se tornou menor que os anjos e os homens? Ouça-o da boca de Davi: “Que é o homem para que penses nele, o Filho do Homem, para que te ocupes dele? Tu o quiseste um pouco menor que os anjos”. (Sl 8,5-6) A interpretação que Paulo nos dá, mostra que se trata de Cristo: “Nós vemos Jesus colocado um pouco abaixo dos anjos por causa de sua paixão e morte”. (Hb 2,9)
Como acontece que Cristo seja ao mesmo tempo o Reino dos céus e o grão? Que seja ao mesmo tempo grande e pequeno em relação ao Reino? Vejam: sua misericórdia por aqueles que ele criou é tão grande, que ele se fez tudo para todos para os ganhar a todos. Por sua natureza, ele era Deus, como o é ainda e o será sempre. Ele tornou-se homem em vista de nossa salvação. “Que profundidade da riqueza, da sabedoria e da ciência de Deus! Suas decisões são insondáveis, impenetráveis os seus caminhos!” (Rm 11,33)
Ó grão, pelo qual o mundo foi feito, as trevas dispersadas, a Igreja renovada! Como é grande a força deste grão suspenso na cruz! Enquanto estava ali cravado, por uma simples palavra soltou do madeiro o ladrão para o mergulhar nas delícias do paraíso. De seu lado aberto pela lança, este grão deixou manar uma bebida de imortalidade para os sedentos. Semeado no jardim, este grão mergulhou suas raízes até os infernos; dali fez saírem as almas e, em três dias, conduziu-as ao céu.
Semeia este grão no jardim de tua alma…”

Orai sem cessar: “Se o grão morre, produz muito fruto…” (Jo 12,24b)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s