ELIAS JÁ VEIO… (Mt 17,10-13) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

PROFETAA tradição judaica, mantida pelos escribas, entendia a profecia de Malaquias (cf. Ml 3,23) como um “regresso” do profeta Elias (que não morrera, mas fora arrebatado ao céu – cf. 2Rs 2,11) para anunciar a vinda do Messias prometido. O povo hebreu estava acostumado a receber mensageiros de Deus que falavam em seu nome, como os profetas da Primeira Aliança, aliás, habitualmente rejeitados e perseguidos.
Nesta passagem, ao afirmar que “Elias já veio”, Jesus se refere à missão de João Batista – autêntica dobradiça entre as duas lâminas da Escritura: os dois Testamentos. João seria o último dos profetas a preparar os caminhos do Senhor. E cumpriu sua tarefa até a própria morte.
Assim, Jesus chama a atenção para a aparente “inutilidade” da vinda de João Batista, já que ele “veio e não o reconheceram; pelo contrário, fizeram com ele tudo o que quiseram” (Mt 17,12).
Aqui, estamos diante de uma constante na história dos homens: Deus envia seus profetas e estes são sistematicamente repelidos. Os falsos profetas sempre receberão acolhida e aplausos, pois costumam dizer exatamente o que a opinião pública deseja ouvir. Já os profetas, fiéis à mensagem recebida do Senhor, ao apontarem os crimes da sociedade e os abusos dos poderosos, acabam lançados ao fundo da cisterna (como Jeremias) ou jurados de morte (como Elias).
Na Primeira Aliança, os profetas eram chamados “nabi” (aquele que fala) ou “ro’eh” (aquele que vê). Triste missão a dos profetas: falar para quem não quer ouvir (“para que ouvindo, não ouçam…” Mt 13,13) e ver o que a sociedade se recusa a enxergar (“porventura também nós somos cegos?” Jo 9,40).
Desde Elias até João Batista, manifesta-se com evidência a dupla missão do profeta: anunciar e denunciar. Desde Jesus Cristo, também a Igreja é portadora de idêntica missão, o que lhe vale a sistemática inimizade dos poderosos que pretendem escravizar o homem e odeiam seus defensores. Ao defender a vida e denunciar o aborto legal, a Igreja faz profecia. Ao defender a família e denunciar os excessos do ateísmo de Estado, a Igreja atualiza a missão dos profetas.
Todo leigo batizado é herdeiro da missão profética de Jesus. E seu silêncio diante dos crimes dos poderosos equivale a uma apostasia.

Orai sem cessar: “É por causa de Sião que eu não me calo!” (Is 62,1)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s