EU TE PEGO PELA MÃO… (Is 41,13-20) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

mãoNão deixa de ser admirável que, nas penumbras do Velho Testamento, Deus fale pelo profeta em uma tonalidade tão íntima! Nada que lembre o Senhor dos Exércitos, o Altíssimo fora do humano alcance, o Vingador de Israel… Mesmo na Primeira Aliança, Deus já deixa perceber sua vontade de aproximar-se de nós.
“Pegar pela mão” é um gesto de intimidade. Não o fazemos com o inimigo, com o assaltante, com o invasor. Nem mesmo com o mendigo, creio eu… Ao contrário, a mão que se estende torna-se verdadeira ponte, canal de contato, entrega de si mesmo.
É assim que Deus faz: ele se entrega, se dá, se comunica. Deus se deixa encontrar, como afirma Isaías: “Buscai o Senhor enquanto ele se deixa encontrar!” (Is 55,6) Não se exige nenhum conhecimento esotérico para ter acesso ao Senhor; é dele mesmo a iniciativa de se fazer acessível, tomando-nos pela mão.
Claro, depois do Natal, após a Encarnação, o Filho de Deus estará entre nós de modo sensível, palpável, tangível. Sua mão acariciará as crianças. Sua mão há curar os enfermos. Sua mão tocará o intocável leproso. Ao longo de sua vida, suas mãos farão o bem, mostrando que Deus se fez Emanuel, um Deus-conosco.
Claro, pegar pela mão também é um gesto de proteção. Atitude tipicamente maternal em relação a uma criança que mal começa a andar e não se sustém nos próprios pés. As mãos de Deus são mãos de Mãe…
Enfim, no Calvário, as mãos de Jesus se deixarão transpassar, cravadas no madeiro. E ali, fixas e presas, não poderão fugir de nossas mãos desejosas de um encontro definitivo. Alguém se admira que as mesmas feridas se projetem às mãos de Francisco, às mãos de Padre Pio de Pietrelcina, às mãos de Gemma Galgani, à fronte de Marthe Robin?
Não devemos desperdiçar o Natal, travestindo-o em mero folclore com presépios infantis. O Natal é a festa da Encarnação, quando o Filho de Deus assume mãos humanas para se fazer ainda mais próximo de nós. Aposto que o Menino de Belém ficaria muito feliz se, a partir deste Natal, pudesse contar com nossas mãos para fazer contato com a multidão que o desconhece.

Orai sem cessar: “Na tua mão, Senhor, está o meu destino!” (Sl 31,16)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s