O ZELO POR TUA CASA… (Jo 2,13-22) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

expulsoHoje a Igreja celebra a festa da dedicação da Catedral de Latrão, que data do ano 324 d.C. e é considerada a “mãe” de todos os templos cristãos. Certamente para acentuar o aspecto sagrado dos edifícios dedicados a Deus, a Liturgia nos traz a narrativa evangélica da “limpeza” realizada por Jesus no Templo de Jerusalém.
No tempo de Jesus, com a dominação romana e o fim da realeza davídica, a prática da religião judaica estava nitidamente concentrada no espaço do Templo de Jerusalém. Os judeus fiéis visitavam o Templo ao menos uma vez por ano. Ali eram oferecidas em sacrifício as vítimas animais do culto mosaico. Mas logo o espaço sagrado foi invadido pelos comerciantes que, aliados aos interesses mercantis dos líderes religiosos, mudaram a casa de Deus em mercado.
O santuário tornara-se uma fonte de altos lucros para as famílias sacerdotais da Antiga Aliança. Bois e ovelhas vendidos para os sacrifícios custavam muito caro, e todo o comércio era feito exclusivamente com a moeda do Templo. O culto ao Senhor Yahweh cedia lugar ao culto a Mammon, o dinheiro deificado.
Em lugar de um ambiente de oração e louvor, o incenso e o silêncio foram substituídos pelo balido dos animais e pelo cheiro acre de sangue e estrume. Daí a inesperada reação de Jesus, habitualmente manso e humilde, improvisando um chicote de cordas para expulsar os animais do recinto consagrado ao Senhor Yahweh.
O teólogo Hans Urs Von Balthasar realça o fato de que o velho Templo – edificado em pedras monumentais – estava pronto para ser destruído e definitivamente substituído pelo novo “Templo de Deus”, o Corpo do Filho de Deus. Quando Jesus afirma que o Templo podia ser destruído e ele o reergueria em três dias, referia-se a seu próprio corpo (cf. Jo 2,19-21). Dali em diante, era EM Cristo que o Altíssimo receberia o culto de finitivo da Nova e Eterna Aliança.
Com seu gesto profético, Jesus anuncia o fim do antigo culto e a chegada dos tempos messiânicos. Como o profeta Zacarias anunciara previamente, “naquele dia não haverá mais comerciantes dentro da Casa do Senhor dos exércitos”. (Zc 14,21)
Desde nosso batismo, nós somos templos do Espírito de Deus, que habita em nós. É no território sagrado de nosso coração que Deus espera pelo encontro pessoal. Se é possível encontrá-lo no templo da Criação, adornado de sóis e de estrelas, ou ainda na cela nua do monge, é acima de tudo em nosso quarto interior que Deus espera por nosso culto espiritual.

Orai sem cessar: “Meu coração está pronto, ó Deus!” (Sl 57,8)

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s