ALEGRA-TE! (Lc 1,26-38) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

alegraMuitas traduções omitem esse convite à alegria, trocado pela saudação romana: Ave! Mas o texto grego de Lucas traz a palavra Chaire, fazendo ecoar o brado de Sofonias (3,14): “Grita de alegria, filha de Sião, brada aclamações, Israel, rejubila-te, ri com gosto, filha de Jerusalém. O Senhor cancelou as sentenças que pesavam sobre ti, afastou teu inimigo. O rei de Israel, o Senhor, ele mesmo, está no meio de ti, não terás mais de temer o mal.” (Sf 3,14-15.)
Se, por um lado, a filha de Sião é o próprio povo escolhido, que há séculos espera pelo cumprimento das promessas relativas ao Messias, por outro lado Maria encarna e resume em sua pessoa esse mesmo Israel. É a iminência do cumprimento da promessa e a chegada do Messias “no meio do seu povo” que motiva a alegria. Acabou a longa noite da tristeza, quando as sentinelas vigiavam, à espera dos lampejos róseos da aurora. Eis o Sol!
Gabriel, o mensageiro da Anunciação, compreendia muito bem o alcance da boa notícia que ele trazia à Virgem de Nazaré. Por isso mesmo, sua primeira frase convida ao júbilo espiritual. Não é preciso muita imaginação para avaliar com que alegria a jovem Maria galgou as montanhas de Judá até a casa de Isabel. Essa mesma alegria – fruto do Espírito Santo – projetou-se em Isabel e no filho que esperava, o Precursor de Cristo.
E nós? Nossa vivência religiosa é uma experiência de alegria? Ou somos devotos sonolentos, fiéis que mercadejam graças, católicos lamurientos, sempre insatisfeitos com nossa cruz? Que é que brota de nossa inserção na Igreja? Que efeitos gera em nós a comunhão eucarística? Que frutos colhemos do contato diário com a Palavra de Deus?
Já diziam os antigos: um santo triste é um triste santo! Nossa alegria pode ser o estímulo que atraia muita gente para Jesus. Nosso azedume e nossas queixas certamente hão de escandalizar os mais próximos, ao constatarem que nossa religião não se transforma em vida…
Claro, não confundamos alegria com alacridade. As maritacas são álacres, barulhentas. Certos grupos religiosos podem parecer animados, mas não passam de agitados. A verdadeira alegria não é muscular, epidérmica. Uma alegria profunda é serena e tranquila; podemos chamá-la de letícia. Ou de paz interior. A alegria é um outro nome da Paz…

Orai sem cessar: “Minha única alegria se encontra no Senhor!” (Sl 104,34)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s