PELA UNDÉCIMA HORA… (Mt 20,1-16a) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Com. Católica Nova Aliança.

a-parabola-dos-trabalhadores-da-ultima-hora1Jesus sabia da importância do tempo em nossa vida. Foi ele quem disse: “Enquanto for dia, cumpre-me terminar as obras daquele que me enviou. Virá a noite, na qual já ninguém pode trabalhar”. (Jo 9,4)
Ora, o dia de trabalho, na Palestina, contava-se das 6 às 18 horas. Da hora prima à duodécima. No Evangelho de hoje, alguns operários começam bem cedo, logo ao raiar do sol. Outros só chegam à vinha por volta da hora terceira, 9 da manhã. Outros ao meio-dia, a hora sexta, já com o sol a pino. Alguns são contratados às três da tarde, à hora nona. E alguns – vejam só! – vagabundeando na praça da aldeia, ainda recebem do Patrão a oportunidade de iniciar seu trabalho na undécima hora – às 5 da tarde!
Mas o espanto cresce quando, na hora do acerto de contas, aqueles que chegaram por último não só recebem o mesmo que os demais (um denário), mas o recebem antes dos outros. Diante disso, temos no mínimo duas reações possíveis: acusar o Patrão de injustiça ou… admirar sua incompreensível misericórdia!
Obviamente, os eleitos, no céu, não sentirão ciúme com a chegada de mais um pecador redimido. Não reclamarão da falta de isonomia salarial da parte do Senhor, alegando que os retardatários mereciam salário menor. Ao contrário, hão de alegrar-se com a amplitude do coração de Deus, que é, em suma, o outro nome do céu. E farão bela acolhida aos recém-chegados, a cantar um salmo de boas-vindas…
Quanto a nós, aqui na terra, o que nos interessa é outra coisa. É saber que eu posso, ainda hoje, mesmo tendo perdido tantas oportunidades anteriores, atender ao chamado de Jesus e começar a trabalhar em sua vinha… Posso ter desperdiçado muito tempo. Posso ter caído no fundo do poço. Posso ter vivido na ilusão das luzes pálidas do mundo. Mas ainda é tempo – mesmo na undécima hora – de acolher o amor do Pai…
Vale a pena lembrar as palavras de Santo Agostinho: “Tarde te amei, Beleza infinita! Tarde te encontrei, tarde te amei, Beleza tão antiga e sempre nova! Eis que habitavas dentro de mim e eu te buscava do lado de fora… Tu me chamaste, e teu grito rompeu minha surdez. Fulguraste e brilhaste e tua luz afugentou minha cegueira… Tu me tocaste, e agora estou ardendo no desejo de tua paz”. (Confissões X,27)

Orai sem cessar: “Senhor, os meus tempos estão nas tuas mãos!” (Sl 31,16)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s