NÃO TENHAIS MEDO! (Mt 10,24-33) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

eu-sou-a-vida-frameO medo está solto. Foi ele quem cercou as casas de grades e arame farpado, inventou o porteiro eletrônico e construiu guaritas na esquina. Ele faz a fortuna das empresas de segurança, cobrando por um produto que não podem entregar. Como disse o poeta, “o medo é uma flor de pânico apavorando os floricultores”…
Apesar dessa fobia universal – ou, talvez, antevendo-a… -, Jesus se dirige a seus missionários: Não tenhais medo!” Estamos todos nas mãos do Pai, os pardais e todos nós. Sem esta convicção, continuaríamos trancados em casa.
H. U. von Balthasar comenta a advertência de Jesus: “Por três vezes, encontramos nos evangelhos este “não temais”. Em uma delas, Jesus acrescenta aquilo que se deve temer. Não devemos temer tudo o que acontece no espírito da missão de Jesus. Primeiro, proclamar ‘sobre os telhados’ aquilo que foi ensinado pelo Senhor ‘no côncavo das orelhas’, pois está destinado a ser conhecido pelo mundo inteiro, e nada poderá opor-se a essa transmissão.
Naturalmente, com isso o pregador se expõe ao perigo; ele é ovelha no meio de lobos e deve esperar pelo martírio devido à sua pregação. É aí também que ele não deve temer: seus inimigos não podem atingir sua alma. Haveria um único inimigo a temer: aquele que faz perecer na Geena tanto a alma quanto o corpo; e isto não acontece se o pregador permanece fiel a sua missão.
Enfim, o cristão apóstolo não temerá porque, nas mãos do Pai, está muito mais protegido que ele imagina. Aquele que cuida dos pequenos animais, do mais insignificante fio de cabelo, quanto mais ele cuidaria de seus filhos? Aqui, Jesus fala de ‘vosso Pai’. E o contexto o explica: o homem está em segurança em duração e amplitude enquanto cumpre sua missão cristã, ainda que exteriormente ele seja considerado um temerário.”
Agora podemos compreender a ousadia de um Francisco Xavier, atravessando os oceanos em uma casca de noz apelidada de navio. A serenidade de Anchieta, oferecendo-se como refém entre tamoios antropófagos. O arrojo do pastor Luther King na defesa de seus irmãos negros.
Estes – e muitos outros – preferiram o amor ao temor. Nossa equipe da pastoral carcerária, na Comunidade Católica Nova Aliança, em BH, rapidamente trocou o medo pela alegria, anunciando o Evangelho em um presídio de segurança máxima. E valeu a pena!

Orai sem cessar: “Na hora do medo, Senhor, em ti me refugio!” (Sl 56,4)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s