ENTRE OS DOUTORES, INTERROGANDO-OS… (Lc 2,41-51) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

interrogaFoi isto que Maria viu, ao encontrar o jovem Jesus após três dias de angustiosa procura: alguém que interroga.
Passados vinte séculos, Jesus continua interrogando. Não como um juiz em busca de indício que incrimina, mas como um farol que ilumina os passos hesitantes de uma humanidade desgarrada.
A primeira interrogada foi a própria Mãe: “Por que me procuráveis? Não sabíeis?…” (Lc 2,49) Nem ela, nem José, pai putativo, compreenderam a interrogação do filho. Mas teriam longos anos para refletir, meditar, digerir essa incômoda pergunta.
Muita gente olha para Jesus em busca de respostas. Hão de encontrar perguntas: “Que procurais?” “Queres ficar curado?” “Quantos pães tendes?” “Quem dizeis que eu sou?” “Ninguém te condenou?” “Por que choras?” “Tu me amas?”
Como observa François Trévedy, “mais profundamente ainda, Jesus se coloca no meio de nós como a PERGUNTA irredutível e inevitável”. Podemos definir nossa vida como o tempo que nos foi dado para responder, co-responder à interrogação que Jesus É em nossa história pessoal. E cada pessoa deve encontrar sua própria resposta, pois ela é única. A resposta de cada santo não pode ser repetida ao pé da letra, mas deve nos levar à certeza de que uma resposta é possível…
O Verbo que se fez carne não é apenas uma declaração no modo Indicativo. É, antes, uma interrogação que atravessa os tempos, grava marcas nos séculos e abre feridas no coração dos santos. Os estigmas e as transverberações são dardos do Verbo que interroga. Alguns respondem com amor, como Francisco e Teresa. Outros se negam a responder…
O mundo sem espírito recusa respostas. Só o Espírito sabe o que está no coração do Filho. Só ele ausculta os corações dos filhos. É nesse Espírito que podemos acolher as interrogações que abalam nossas seguranças e viram nosso mundo de cabeça para baixo, transformando as certezas em poeira ao vento.
Os “doutores” deste Evangelho ficaram de queixo caído diante do jovem Jesus. Não tanto pelas respostas que ele dava, mas pelas perguntas que ele fazia. Do alto de sua sabedoria, viam-se diante de interrogações que jamais ousaram fazer…

Orai sem cessar: “Chama por mim e eu te responderei!” (Jó 13,22)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s