O VOSSO CORAÇÃO SE ALEGRARÁ… (Jo 16,20-23a) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

ALEGRAR            A Criação é alegre. Rios e cascatas, auroras e luar, lagos e pradarias – tudo irradia luz e cor e sons e melodias. No largo oceano, o balé jocoso dos golfinhos e a ciranda das anêmonas e medusas.

A sociedade é triste. Gente tensa e apressada, ônibus superlotados, carnavais que acabam em cinzas. O rugido dos motores e o gemido das buzinas. Em cima do muro, cacos de vidro e arame farpado. Dentro do lar, a solidão.

A comunidade cristã é alegre. Aceso o círio pascal, ela entoa um perene Hallelujah ao Cristo ressuscitado. Nada que Jesus não tivesse prometido em sua despedida dos discípulos. É uma alegria que vem após as dores e as angústias do parto (cf. v. 21), inseparável da vida nova que se experimenta. “Eu vos verei novamente, e o vosso coração se alegrará, e ninguém poderá tirar a vossa alegria.” (Jo 16,22)

Claro, existem diferentes “alegrias”. Cá em baixo, a alacridade ruidosa das maritacas roendo coquinhos na palmácea. Uma alegria apenas epidérmica, associada ao barulho de palmas e foguetes. Um pouco acima, o júbilo do peregrino que avista a cúpula dourada do Templo, nas montanhas de Judá, e entoa o Hallel (Sl 122,1). Mais alto, o gáudio dos pastores, aos quais o anjo da madrugada anuncia o nascimento do Menino (Lc 2,10).

Mas muito mais alta – e muito mais profunda! – a silenciosa letícia do bebê adormecido no seio da mãe (Sl 131,2). Esta alegria – a verdadeira alegria! – não depende de luzes e neon, dispensa música e fantasias, não se apoia em palmas e coreografias. Irmã gêmea da paz, esta alegria transforma a própria morte em um regresso ao lar…

Como conquistá-la? Qual o seu preço? Nem pense em comprá-la. Não é conquista. É puro dom… O Deus pródigo e feliz a reparte com fartura entre os bem-aventurados.

Certa vez, eu pregava em uma paróquia do interior de Estado de São Paulo. Em dado momento, citei a conhecida passagem paulina: “Alegrai-vos sempre no Senhor! Repito: alegrai-vos!” (Fl 4,4) Subitamente, um senhor se levantou no fundo do salão e protestou. Era o pároco local! Segundo ele, não era possível alegrar-se em um mundo cheio de injustiça e desigualdade. O conselho de Paulo era impossível de ser seguido.

Ouvi-o até o fim. Depois, retomei a palavra e disse apenas: “Bem, não é exatamente por esses motivos que nós nos alegramos. É apesar disso tudo que nos alegramos, na certeza de que o Ressuscitado está no meio de nós…

Orai sem cessar: “Devolve-me, Senhor, a alegria de ser salvo!” (Sl 51,14)

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s