NÃO O JOGAREI FORA… (Jo 6,35-40) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

vemEstá na moda o ato de descartar. Usar e jogar no lixo. Objetos one way…

Em outros tempos, o artesão trabalhava em sua oficina, gastando tempo e suor, para transformar a matéria em ferramenta. Madeira, argila ou metal eram manipulados com arte e engenho para chamar à existência um móvel, um cântaro, um facão. O novo objeto era incorporado aos bens do dono e, salvo algum acidente, iria acompanhá-lo até a morte. Estabelecia-se uma relação de posse estável e definitiva. Se fosse uma encomenda, o objeto podia trazer a “marca” de seu fabricante, como no célebre broche que nos chegou do Império Romano, gravado em latim arcaico: “Manios med fefaked Numasioi”. [Numério fez esta fíbula para mim.]
Deus não mudou de hábitos. Deus não sabe descartar. Por isso Jesus afirma: “Aquele que vem a mim, eu não o jogarei fora”. Por que será que não levamos a sério as palavras de Jesus?
Penso na mãe preocupada com os descaminhos do filho. Penso na esposa ferida pelos erros do marido. Penso na Igreja humilhada pelos pecados dos sacerdotes. E a cada pensamento, repercute no fundo de meu ser a palavra de Jesus: “Não o jogarei fora!”
Pessoas não são objetos. Amigos não são descartáveis. Uma só alma tem valor de eternidade. Jesus morreria de novo apenas por meu pecado pessoal. Ele dá a vida para nos salvar. Nem de longe podemos imaginar de que recursos Deus dispõe para dinamitar nossas culpas e absorver nossa poluição espiritual…
Um estreito conceito de justiça humana insiste em acorrentar o Amor divino a nossos critérios penitenciários. “Errou, tem de pagar!” “Não faz isso, que Deus castiga!” “Deus é meu vingador!”
A fé que brota dos Evangelhos deve ser capaz de superar as medidas mesquinhas que transformam o pecador e o criminoso em alvos de nosso ódio. Como conciliar os Evangelhos com a noção de vingança? Leio Maurice Zundel: “A fé não pode nos encerrar em um pequeno círculo, mas deve desembaraçar-nos de todos os limites de nossa inteligência. A fé é muito menos um conhecimento que uma simpatia, é um olhar que nos faz mergulhar na vida de Deus, assim como na vida daqueles que amamos”.
Nós somos criaturas de Deus. No batismo do fogo, recebemos sua “marca”. Não hesito em dizer que ele nos criou com amor e suor, o divino Artesão. Seu Filho nos salvou com sangue e suor. O Espírito Santo continua “suando” sua luz para iluminar a noite escura de nossos corações. Depois de tanto esforço, Deus nos jogaria no lixo?

Orai sem cessar: “Guarda-me, Senhor, à sombra de tuas asas!” (Sl 17,8)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s