O VENTO SOPRA ONDE QUER… (Jo 3,7b-15) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

espíritoBelo símbolo é o VENTO! Na Bíblia, o vento se mistura a vários outros símbolos para representar o Espírito de Deus.

Ali está o FOGO, capaz de mudar os estados da matéria, liquefazendo o sólido, vaporizando o líquido. Nada resiste à sua ação transformadora. O Espírito transforma o coração do homem…

Ali está a ÁGUA, água viva que corre e fertiliza os campos, purifica os penitentes no Jordão, sacia a samaritana no poço de Jacó, dá vida às palmeiras do oásis. O Espírito vivifica o homem…

Ali está o AZEITE, o sangue da oliveira que se deixou premir e, agora, alivia a ferida, massageia o atleta, dá brilho ao rosto da noiva oriental e acende uma luz trêmula na noite dos homens. O Espírito cura, fortalece, ilumina…

Ali está a POMBA do Gênesis e do Batismo de Jesus, anunciando a aliança do Criador com a humanidade e identificando o Filho de Deus que assumiu nossa carne. O Espírito aponta para Jesus…

Todos estes símbolos do Espírito de Deus mostram um traço em comum: a mobilidade. O Espírito é móvel, é graça em ação, amor em movimento. Não admira, pois, que Jesus diga a Nicodemos que o VENTO sopra onde quer. Não é possível controlar o Espírito de Deus. Ele sopra e move e age em lugares e pessoas os mais inesperados.

Ao dizer que o Espírito sopra onde quer, Jesus revela que existe no Vento uma vontade, um desígnio divino que não depende de iniciativas humanas. O próprio Concílio Vaticano II deixou registrado que são encontradas “sementes da Palavra” [semina Verbi, cf. Decreto Ad Gentes, 11] em tradições estranhas ao cristianismo. E foi o mesmo VENTO que dispersou tais sementes nessas remotas searas.

No passado, o vento mereceu muita atenção dos antigos. Chegou a ser divinizado na figura de Eolo. Os primeiros mapas incluem bochechas soprando dos “quatro ventos”, os pontos cardeais. Do vento dependiam os navegantes em suas galeras e caravelas. Depois, com a força do vapor, quase o esquecemos… Agora, estamos redescobrindo a importância do vento e nossas planícies acolhem “florestas” de árvores eólicas para a geração de energia.

Quando será que voltaremos a prestar atenção ao Vento de Deus, o Espírito Santo, que tenta abalar nossas janelas trancadas, renovar nossos galhos ressequidos, ainda que seja preciso quebrar a ramagem e abalar as raízes?

Orai sem cessar: “Vem dos quatro ventos, ó Espírito de Deus!” (Ez 37,9)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s