PARA SER TENTADO… (Mt 4,1-11) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

tentaçãoPoderia causar espécie, espanto, escândalo: o próprio Filho de Deus ser conduzido pelo Espírito Santo “para ser tentado”. Como se as tentações não fossem algo absolutamente normal em pessoas humanas……
Ora, Jesus, o Verbo de Deus feito homem, assumiu de fato nossa humanidade. Logo, ele era “tentável” na nova natureza que havia assumido ao nascer de mulher, isto é, poderia ser submetido a alguma proposta do mal, ainda que a perfeição de sua natureza divina limitasse tal proposta ao exterior de sua pessoa. Aceitando livremente que fosse posto, por um tempo, “abaixo dos anjos” (cf. Hb 2,9), Jesus se mostra solidário conosco em toda a nossa condição humana, exceto o pecado (cf. Hb 4,15; 1Pd 2,22): tem fome e sede, cansa-se, sua e sangra, sofre com as negações e traições dos discípulos, fica irado com a mercantilização do Templo e de seu culto. Enfim, morre entre dois ladrões, como um homem qualquer.
Assim, não deveríamos estranhar que ele passasse também pelas tentações do maligno, que lhe acenava com uma vida de autonomia (em relação ao Pai), de glória espetacular e de poder temporal (perante os homens). Diante das citações bíblicas que lhe apresenta o primeiro exegeta da história – Satanás -, Jesus de Nazaré recorre a outras passagens da Escritura para corrigir a hierarquia dos valores eternos, onde a obediência filial ocupa lugar central. Esta obediência do Novo Adão lhe permite vencer o mal insinuante, ao contrário do primeiro Adão, que aceitara a arrogante proposta de insurreição e autodeterminação nos albores da humanidade.
Vale notar que o tentador se aproxima exatamente ao fim de um jejum de quarenta dias, quando Jesus se acha enfraquecido ao extremo e, humanamente falando, mais vulnerável à tentação. E não se trata de algum tipo de simulação, mas de uma tentação real com todos os aspectos “agradáveis” que elas costumam trazer: atrair a admiração das multidões por um feito espetacular, assumir poder sobre o mundo dos homens, além de prover seu próprio alimento.
Ainda hoje, o inimigo dos homens – e inimigo da Igreja! – vem bater o ponto e propor que o bem seja alcançado por meio do mal, do mero esforço humano, dos planos e projetos do orgulho adâmico, e não acolhido como dom amoroso do Pai. No fio da navalha, o admirável mistério da liberdade do homem. Liberdade que lhe foi concedida para escolher o bem. Isto é, escolher a Deus.

Orai sem cessar: “Guardo a vossa Palavra no fundo do meu coração.” (Sl 119,11)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s