COM ORAÇÃO E JEJUM… (Mc 9,14-29) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

oraçãoMais um contraste nos Evangelhos: montanha versus planície.
Na planície, a multidão agitada, ruidosa e… frágil na fé. Os pobres discípulos de Jesus estão incluídos na multidão que se vê impotente diante do demônio que agita terrivelmente um jovem possesso.
Um parêntese: é claro que eu acredito na existência de demônios (e estou muito bem acompanhado de toda a Tradição eclesial e do testemunho do Papa Paulo VI). Para aqueles racionalistas que insistem em traduzir as possessões do Evangelho como casos de epilepsia (doença desconhecida naquela época – garantem eles), sugiro apenas que digam aos senhores médicos (de hoje) que o remédio para tal enfermidade é… jejum e oração…
Ora seja como for, do outro lado está a montanha. O lugar do encontro com Deus (como atestam Abraão, Moisés, Elias e outros do mesmo time). E é da montanha, onde passou a noite inteira em jejum e oração, que desce Jesus e encontra cá em baixo toda esta balbúrdia feita de capetas, encapetados e exorcistas que não conhecem seu ofício.
Feito o trabalho, libertado o garoto, o pai feliz da vida, é a hora de os discípulos amuados perguntarem ao Mestre: “Como explicar o nosso fracasso? Por que não pudemos expulsar o demônio?” E Jesus, curto e grosso: “Esta espécie de demônios (ora, ora… então há várias espécies de epilepsia, hein?!) com nada se pode expulsar, a não ser com oração e jejum.” No latim de São Jerônimo: “Hoc genus in nullo potest exire nisi in oratione”.
Algum leitor estará torcendo o nariz: “Jejum e oração?! Que coisa mais arcaica!” Ora, a água vegetomineral dos tempos da vovó pode ser um remédio arcaico, mas faz efeito ainda hoje. E os capetas do tempo de Jesus Cristo são os mesmos de nosso tempo, ainda que mais treinados e especializados.
O velho remédio ainda vale? Responde o mestre da teologia ascética e mística (matérias ignoradas nos seminários de hoje!) Ad. Tanquerey. Segundo ele, para fazer exorcismos (aliás, ministério exclusivo de sacerdotes especialmente autorizados pelo bispo diocesano!) “convém preparar-se para essa temerosa função por meio de uma confissão humilde e sincera, para que o demônio não possa lançar em rosto aos exorcistas as suas faltas; e pelo jejum e oração, visto haver demônios que não cedem senão a estes meios.” (nº 1546, 1.)
Prudência e caldo de galinha, dizia vovó, não fazem mal a ninguém…

Orai sem cessar: “Senhor, tu me libertas dos meus inimigos.” (Sl 18,49)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s