AMAI VOSSOS INIMIGOS! (Mt 5,38-48) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

amarEis a novidade do Evangelho: querer o bem de quem nos faz mal. Não admira que tantos façam caretas ao ouvir este mandamento que está no coração da Boa Nova de Jesus. É bem mais fácil lembrar o direito de defesa, recorrer aos tribunais ou escolher uma reação no variado leque das vinganças humanas…
A situação parece ainda mais grave quando tomamos consciência de que o próprio Jesus praticou o que havia ensinado. Em plena crise, sob tortura, cravado num poste, o Filho de Maria reza: “Pai, perdoai-lhes. Eles não sabem o que fazem!” (Lc 23,34) Pisando suas pegadas, o primeiro mártir da Igreja, Estêvão, repetirá a mesma oração ao ser apedrejado pelos judeus (cf. At 7,60).
O staretz Silvano do Monte Athos [1866-1938] reflete a passagem:
“O Senhor nos falou: ‘Amai vossos inimigos!’ Aquele que ama seus inimigos é semelhante ao Senhor. Mas só é possível amar seus inimigos pela graça do Espírito Santo. Quem não ama seus inimigos não pode conhecer o Senhor, nem a doçura do Espírito Santo. O Espírito Santo ensina a amar os inimigos a ponto de se ter compaixão deles como dos próprios filhos. Por isso, desde que alguém te feriu, reza a Deus por ele e guardarás a paz e a graça divina. Sem rezar pelos inimigos a alma não pode ter paz.”
Muito estranho para nosso gosto… Entendemos a paz como a supressão dos inimigos, o fim das hostilidades, a supremacia de nossos exércitos. Aí, vem Jesus de Nazaré a ensinar que a guerra se acaba com… amor?!
Silvano dá um exemplo: “Abba Paíssios rezava por seu discípulo que havia renegado a Cristo, a fim de que o Senhor o perdoasse. E o Senhor ficou tão contente com essa oração, que lhe apareceu e disse: ‘Paíssios, por que rezas por aquele que me renegou?’ Respondeu Paíssios: ‘Senhor, se tu és misericordioso, perdoa-o!’ Então, o Senhor lhe disse: ‘Ó Paíssios, por teu amor tu te assemelhaste a mim’ – a tal ponto é agradável ao Senhor a prece pelos inimigos.”
Em seus 13 anos de cárcere, o Arcebispo de Saigon, F.-X. Nguyên Van Thuân tratou tão bem seus carcereiros comunistas, que estes perceberam nele um traço especial da espiritualidade cristã. Ele declarou: “Passei a metade da minha vida esperando. É verdade: todos os prisioneiros, inclusive eu, esperam a cada minuto sua libertação. Porém, depois decidi: Eu não esperarei. Vou viver o momento presente, enchendo-o de amor”.

Orai sem cessar: “O amor é forte como a morte.” (Ct 8,6)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s