CONVERTEI-VOS! (Mt 4,12-17.23-25) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

ANDERSON 2O mesmo imperativo da pregação de João Batista é agora assumido por Jesus: “Convertei-vos!” Pena que o conceito de “conversão” tenha sido tão distorcido, tão deteriorado!
Quando se fala em “conversão”, logo se pensa em alguma perda. “Eu me converti: deixei de beber.” “Ele se converteu: deixou de fumar.” Ora, a conversão no sentido do Evangelho é uma conversão “para”… É uma reviravolta na direção de Alguém. Na direção de Deus, na pessoa de Jesus Cristo. É um redirecionamento em vista de uma amizade definitiva. Conversão é um encontro pessoal com Cristo.
Na recente Carta apostólica “Evangelii Gaudium” [24/11/2013], o Papa Francisco escrevia:
“Não me cansarei de repetir estas palavras de Bento XVI que nos levam ao centro do Evangelho: ‘Ao início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo’.
Somente graças a este encontro – ou reencontro – com o amor de Deus, que se converte em amizade feliz, é que somos resgatados da nossa consciência isolada e da autorreferencialidade. Chegamos a ser plenamente humanos, quando somos mais do que humanos, quando permitimos a Deus que nos conduza para além de nós mesmos a fim de alcançarmos o nosso ser mais verdadeiro. Aqui está a fonte da ação evangelizadora. Porque, se alguém acolheu este amor que lhe devolve o sentido da vida, como é que pode conter o desejo de o comunicar aos outros?” (EG, 7-8)
Assim sendo, o convite à conversão não significa prejuízo nem perdas, mas, ao contrário, a possibilidade imediata de entrar na posse de um amor pleno e plenificante, fruindo da proximidade, da intimidade e do amor de Deus.
Isto fica bem claro na profecia de Isaías citada neste Evangelho: trata-se de uma “passagem”, uma mudança de situação: “O povo que estava nas trevas viu uma grande luz”.
Claro, segundo o ditado popular, “o pior cego é aquele que não quer ver”. E aí está o terrível mistério da recusa da luz. Acostumado à sombra da caverna, perdido em elucubrações íntimas, o homem corre o risco de preferir as trevas. E isto não se faz sem culpa…

Orai sem cessar: “… e à tua luz, vemos a luz.” (Sl 36,9)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s