E ESCOLHEU DOZE… (Lc 6,12-19) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

text67en1Ao escolher o primeiro grupo dos Doze, Jesus Cristo tem em mente o germe de sua Igreja: aquele “corpo” que dará continuidade à sua própria missão, levando a Boa Nova a todas as nações. Mas não o faz por um impulso pessoal: a noite passada em vigília de oração manifesta que Jesus consulta o Pai e em tudo busca o cumprimento de sua vontade.
Heterogêneo, este seu grupo! Alguns têm nome hebraico (Shimon, Levi, Yaakov), outros trazem o nome grego (André, Filipe, Bartolomeu). Um prévio sinal da universalidade da Igreja. Diversas são as profissões: quatro pescadores, um cobrador de impostos, dois guerrilheiros. Por que foram escolhidos? Por que foram preteridos os sábios de Atenas e os generais de Roma? Segredo de Deus…
Uma vez chamados, deixam tudo com notável prontidão. O telônio de Mateus/Levi abandonado na praça. A barca de Pedro esquecida na areia. Famílias, sonhos, projetos – tudo considerado como perda (cf. Fl 3,7) por causa de Cristo.
São Doze como eram doze as tribos de Israel. Se a Igreja de Cristo é o novo Israel, deviam ser Doze os Apóstolos. E desde o início a Igreja de Jesus se configura como uma Igreja Apostólica. Dois mil anos depois, ainda somos os continuadores da obra dos Doze. Cada bispo de nossa Igreja foi sagrado por outro bispo anterior, com raízes muito bem firmadas em um daqueles Apóstolos: o Pedro de Roma, o João de Éfeso, o Tomé das Índias, o Tiago de Compostela.
A este respeito, ensina o Concílio Vaticano II: “Estes Apóstolos [Jesus] instituiu-os à maneira de colégio ou grupo estável, ao qual prepôs Pedro escolhido entre os mesmos (cf. Jo 21,15-17). Enviou-os primeiro aos filhos de Israel e depois a todos os povos, para que, partícipes do Seu poder, fizessem discípulos Seus todos os povos, santificando-os e governando-os (cf. Mt 28,16-20; Mc 16,15; Lc 24,45-48; Jo 20,21-23), propagando desta forma a Igreja; e guiados pelo Senhor a apascentassem como ministros, todos os dias, até a consumação dos séculos (cf. Mt 28,20).” (Lumen Gentium, 19.)
Nossa obediência aos sucessores dos Apóstolos confirma nossa ligação a Jesus Cristo, enxertados como ramos na Videira verdadeira, em comunhão de mentes e corações. A eles, Jesus garantiu: “Quem vos ouve, é a mim que ouve, e quem vos rejeita, é a mim que rejeita.” (Lc 10,16.)
Orai sem cessar: “Como são amáveis as vossas moradas, Senhor!” (Sl 84,1)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s