E A MÃE DE JESUS ESTAVA LÁ… (Jo 2,1-11) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

bodas_canaE se Maria de Nazaré não fosse até Caná para o casamento de Natanael? Quem teria impelido Jesus ao seu primeiro milagre? Quem teria proposto o ato de fé?

Eis o que escreve Mons. Claude Rault, Bispo do Saara marroquino, em seu livro “Jésus, l’Homme de la reencontre”: “As bodas de Caná, em sua simplicidade, nos revelam qual é o lugar de Maria na vida do discípulo. E não é um papel de segundo plano que Deus lhe atribuiu na história dos homens. É fácil ver que ela tem um lugar à parte, um lugar onde ela está, simultaneamente, cheia de iniciativa e de humildade.

Maria é aquela que “põe no mundo”. Ela pôs Jesus no mundo uma segunda vez ao lançá-lo em sua vida pública. Por sua palavra – “Fazei tudo o que ele vos disser!” -, Maria pôs no mundo os discípulos, em sua tarefa de servidores da Nova Aliança. Esta palavra os “gerou” para o serviço.
Em minha vida de discípulo, ela é aquela que me põe em presença de Jesus. Ela me gestou para minha vocação de servidor da alegria simbolizada pela abundância do vinho. A seguir, ela se apaga. Acolher a Maria em minha casa é acolher a nova Mãe, a mãe dos viventes, como imagem da Igreja. Uma Igreja na qual eu não sou apenas servidor, mas irmão.”
Esta compreensão a respeito de Maria como imagem e espelho da Igreja – aquela que a Igreja deve contemplar para aprender a viver centrada unicamente em Jesus Cristo – parece-me suficiente para estender pontes em direção a outras Igrejas cristãs. Fica evidente que nós, católicos, não usamos a Mãe de Deus como substituta do Salvador, mas a vemos como aquela que mais nos aproxima dele.   A frase (uma só!) que ela pronuncia em Caná orienta nossa missão de servir. Assim, Claude Rault conclui: “A Igreja só pode ser uma reunião sem fronteiras, uma comunhão fraternal em Jesus, uma assembleia da Aliança. Jesus sempre recusou ver sua Igreja, sua Comunidade, ao modo de outros grupos humanos. No seio do grupo dos discípulos, ele sempre se viu como ‘irmão servidor’. Isto se verá por ocasião de seu último gesto de lhes lavar os pés”. Nas Bodas de Caná – imagem do casamento definitivo de Deus com a humanidade – todos se põem a serviço, prontos a obedecer. E o fazem sem reservas, como os serventes que enchem as talhas de pedra: até as bordas!
Orai sem cessar: “Com alegria tirareis água nas fontes da salvação!” (Is 12,3)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s