ALIMENTO AOS QUE O TEMEM… (Sl 111 [110]) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

eucaristiaNo Sermão da Montanha, Jesus disse que os pardais são alimentados pelo Pai do Céu, o mesmo que veste de esplendor os lírios do campo. E se ele alimenta humildes pardais, avezitas sem cor e sem canto, com muito mais razão há de alimentar os filhos! E isto nos ensina algo que devia ser óbvio, mas costuma “passar batido”. O mesmo Deus que nos cria, também nos alimenta. Que Pai seria esse que chamasse à vida e, a seguir, deixasse os filhos morrendo de inanição?
Na história do Povo de Deus, o evento marcante da ação alimentadora de Deus está registrado no Livro do Êxodo. Caminhando pelo deserto, em 40 anos de jornada, era impossível plantar e colher. O Senhor acudiu o seu povo e, com permanente milagre, o alimentou com o maná: “O Senhor disse a Moisés: ‘Vou fazer chover pão do alto do céu. Sairá o povo e colherá diariamente a porção de cada dia’”.
Os Padres da Igreja primitiva reconheceram prontamente no dom gratuito do maná uma figura do futuro sacramento da Eucaristia, que Jesus anunciaria como “o verdadeiro pão que meu Pai vos dá” (Jo 6,32). E Jesus vai além, apresentando-se como nosso alimento superessencial: “Eu sou o pão vivo que desci do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente”. (Jo 6,51)
O Salmo da liturgia de hoje assegura que Deus é “alimento para os que o temem”. Santo Agostinho comenta este versículo: “Para que serviram os milagres, a não ser para incutirem temor? De que adiantaria, porém, o temor se o ‘Senhor, misericordioso e clemente’, não sustentasse ‘os que o temem’? Desceu o pão do céu (cf. Jo 6,27.51), alimento incorruptível, dado a quem nada merecia. Pois Cristo morreu pelos ímpios (cf. Rm 5,6). Ninguém daria tal alimento, a não ser o Senhor misericordioso e clemente. Se deu tanto nesta vida, se o Verbo feito carne acolheu o pecador para justificá-lo, que não receberá no futuro século o que for glorificado?”
Houve épocas, em nossa Igreja, em que as pessoas participavam da assembleia eucarística, mas não comungavam. Em outras épocas, era preciso ter autorização especial do confessor para chegar à mesa da comunhão. As crianças só foram autorizadas a receber o Pão da Vida no pontificado do Papa Pio X [1903-1914]. Mesmo hoje, muitos católicos ainda não descobriram a importância da comunhão frequente como alimento para a missão. Creio, mesmo, que muitos cansaços e desistências aconteceram por falta dessa nutrição espiritual.
Participando da mesa eucarística, nós nos preparamos para o banquete do Cordeiro.
Orai sem cessar: “Felizes os convidados para o banquete das núpcias do Cordeiro!” (Ap 19,9)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s