O SENHOR É FIEL… (Sl 145 [144]) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

NA CORDA BAMBAHoje, cedo o espaço a Santo Agostinho, que comentou longamente todo o saltério. Ele reflete sobre a fidelidade de Deus. “Fiel é o Senhor em todas as suas promessas, e santo em todas as suas obras. Fiel é o Senhor em todas as suas promessas. Pois, o que prometeu e não deu? Existem algumas coisas que prometeu e ainda não deu; mas acredite-se nele, tendo em vista o que já deu. Fiel é o Senhor em todas as suas promessas. Poderíamos acreditar somente em suas palavras. Mas não quis que confiássemos apenas no que dizia, quis obrigar-se por sua Escritura. Seria algo como se dissesses a alguém a quem prometesses algo: ‘Não acreditas em mim, escrevo para ti’. Na verdade, uma vez que uma geração vai, e outra geração vem, e assim transcorrem estes séculos, enquanto os mortais dão lugar aos que são seus sucessores, devia permanecer a Escritura de Deus, e certo documento de Deus, que pudessem ler todos os que passassem e retivessem a garantia de sua promessa.” O adjetivo “fiel” – que expressa um traço da natureza divina – está ligado ao verbo “confiar”. Quem é fiel merece confiança, aquela aposta que fazemos nele. Se Deus é fiel, posso fiar-me nele, ainda quando isto parece um interminável balé sobre o cabo estendido no abismo. Curiosamente, estamos sempre apostando a vida: a noiva confia no noivo; os passageiros do avião confiam no piloto; os pacientes confiam no médico. E são simples mortais, sujeitos a erros e enganos. E quanto a Deus?…
Santo Agostinho prossegue: “Os homens duvidam, não querem confiar nele a respeito da ressurreição dos mortos e do século futuro, as únicas coisas que ainda faltam ser cumpridas. Quando, se ele acertar as contas com os infiéis, eles se envergonharão? Se Deus te disser: ‘Tens o meu título; prometi o juízo, a separação entre bons e maus, o reino eterno aos fiéis, e não queres acreditar? Lê no meu documento o que prometi, acerta comigo; certamente, ao menos computando o que paguei, podes acreditar que hei de pagar o que ainda devo’”. Na tradução francesa, um dos livros de Hans Urs von Balthasar foi intitulado “Só quem ama merece confiança”. Por isso mesmo, o Autor traduz um pouco diferente a passagem da 1ª Carta de São João: “Reconhecemos o amor de Deus por nós e, então, pudemos crer”. (1Jo 4,16) Ora, o Deus que nos fez promessas é o mesmo Deus que morreu por nós. Basta isto para apostar nele a nossa vida?
Orai sem cessar: “Eis o Deus que me salva, eu confio e nada temo!” (Is 12,2)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s