ELE COMIA COM OS PECADORES… (Mc 2,13-17) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

roublevTodos sabem que uma das imagens do Reino de Deus é a mesa de um banquete. São Lucas registra a promessa de que os servos fiéis se assentarão à mesa do festim, e o próprio Senhor os servirá (Lc 12,37). No Apocalipse, temos esta bem-aventurança: “Felizes os convidados para a ceia nas núpcias do Cordeiro!” (Ap 19,9.)
Por seu lado, o famoso Ícone da Trindade, de Roublev, retrata a família trinitária em volta de uma mesa eucarística, onde o lado frontal do altar está aberto, como uma convocação a mergulhar na vida divina e participar de sua plena comunhão. Ser um conviva de Jesus é participar do seu banquete (em latim, convivium).
Os judeus do tempo de Jesus, no entanto, haviam desenvolvido a tese de que era preciso merecer essa participação. Só os justos – aqueles que cumpriam os 10 mandamentos e… os 613 preceitos! – teriam entrada no banquete de Deus. E tal participação incluía longos rituais de ablução, estritos critérios de pureza em relação aos alimentos, às vasilhas e, claro… aos convivas.
Que decepção quando vem o Messias e se mistura à gentinha desclassificada, como nas bodas de Caná, bebendo com os publicanos (como Mateus) e com as prostitutas (como Madalena). Até os discípulos se espantam, à beira do poço de Jacó, ao flagrar Jesus em conversa com uma mulher samaritana! E o Mestre vê-se obrigado a dizer aquilo que devia ser óbvio: “Eu não vim para os justos, mas para os pecadores. Quem precisa de médico não são os sadios, mas os que estão enfermos!” (Cf. Mc 2,17.)
Ainda hoje, em nosso meio eclesial, há pessoas boas e honestas que imaginam uma espécie de contabilidade espiritual, um “sistema de débitos e créditos”, segundo o qual o céu deve ser merecido, conquistado a golpes de… boas obras. Depois de alguns anos de sacrifícios e jejuns, esmolas e vigílias, estaremos em condição de apresentar a Deus uma fatura e… cobrar nosso direito de entrar no céu…
Ledo engano! O preço do banquete já foi previamente pago por Jesus quando morreu por nós no Calvário. Diante de tal preço (cf. 1Cor 6,20), não há mérito nosso que se possa transformar em direito adquirido. O festim do Cordeiro é puro dom, é graça, nada custa. Ou não teria sido inaugurado por Dimas, o ladrão esperto, que antes de morrer ainda roubou o céu, com um simples apelo à misericórdia do Senhor.
Algum honesto há de protestar: “Então, de que adiantaram aqueles longos rosários rezados de joelhos, sobre os grãos de milho? E todos aqueles pecados que, saudosamente, deixei de cometer se, no fim, um ladrão se arrepende e inaugura o Paraíso?”
Por certo, os pecadores se alegram com esta Boa Nova…
Orai sem cessar: “Preparas uma mesa para mim…” (Sl 23,5)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s