EU NÃO O CONHECIA… (Jo 1,29-34) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

batismoTambém o Batista não sabia que o obscuro filho do carpinteiro era o Desejado de Israel. Mas agora o sabe! Depois de ver o Espírito descendo na forma de uma pomba sobre o penitente do Jordão, e sobre ele repousando, João identifica o Cordeiro de Deus. Sabia antecipadamente que seu batismo na água serviria para reconhecer aquele que batiza no Espírito e no fogo. E sabia também que sua missão pessoal era preparar o caminho daquele que “existia antes de mim”. (Jo 1,30)
Avaliado pela Igreja como o “precursor” – aquele que corre na frente – do Messias, João faz o papel do atleta que chega velozmente às portas da cidade para anunciar que o Rei está a caminho. Mas não faz o anúncio de um potentado desconhecido, pois sabe que se trata daquele que vem do alto, vem de Deus, para “tirar o pecado do mundo”. Este é o núcleo de seu testemunho e a razão última de sua missão.
Na encíclica sobre a validade permanente do mandato missionário, a “Redemptoris Missio” [1990], João Paulo II afirmava que os homens de hoje dão menos importância às palavras que ao testemunho, acreditando mais nas testemunhas que nos mestres (RM, 42). João Batista pode ser nosso modelo de vida cristã em sua disposição de diminuir a si mesmo para que Cristo cresça (cf. Jo 3,30). Mas ele jamais teria testemunhado Jesus – ao preço de sua própria vida – antes de conhecê-lo.
Dizem que faltam testemunhas em nosso tempo. E que certo marasmo eclesial assim se explica. Seria esta a razão de tal ausência? Como testemunhar alguém que não conhecemos? Como conhecer alguém que não procuramos? Como apresentar ao mundo o Mestre cuja Palavra não queremos acolher?
Hoje, todos nós sabemos sobre Jesus muito mais do que João Batista chegou a saber em seu tempo, pois correram vinte séculos de vida eclesial, dois mil anos de martírios e de evangelização. Enquanto impérios e tiranos se reduziram a pó, o vulto de Cristo, Senhor e Salvador, permanece vivo em meio ao turbilhão de tribos e sociedades que passaram pelo palco da História.
E mais: quando todas as utopias se fazem em ruínas – desde o paraíso comunista até o shopping capitalista -, Jesus Cristo permanece como a última esperança de encontrar sentido para nossa existência. É para eles que se voltarão todos os olhares quando ele vier na nuvem prometida.
E você, que ainda não o conhece… Não seria a hora de se dar esta oportunidade? Por que adiar o encontro iluminador? Por que não entrar no Jordão para obter a visão do Espírito que desce sobre o Filho do Homem?

Orai sem cessar: “Se conhecesses o dom de Deus…” (Jo 4,10)

Anúncios

Um pensamento sobre “EU NÃO O CONHECIA… (Jo 1,29-34) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s