PESCADORES DE HOMENS… (Mt 4,18-22) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

andréMuitas vezes, quem andou pelas estradas da vida um tanto alheio à voz de Deus e, inesperadamente, é envolvido por sua luz, pode ter a ilusão de que sua vida pregressa foi tempo perdido. Não foi. Nada se perde em nossa vida. Deus já “escrevia” a futura missão nas peripécias do passado.
Vejam só o caso do apóstolo André. Juntamente com Simão Pedro, seu irmão, passara longos anos na rude faina de pescador. Sua velha barca, aquelas redes cansadas (cf. Mt 4,21), o Lago de Tiberíades tantas vezes sem peixes (cf. Lc 5,5; Jo 20,3), o risco das tempestades (cf. Lc 8,23) – tudo lhe serviria de treinamento para a futura missão.
De fato, de um pescador comum se exigem virtudes muito especiais. Paciência, quando o peixe é arisco. Determinação, para insistir na pesca. Coragem, para enfrentar os elementos. Fibra, para suportar o sol, o vento, os insetos. Gente mole não costuma se dedicar à pesca…
Ora, a futura tarefa de evangelizar e “pescar homens” para Deus iria exigir de André e seus companheiros exatamente aquelas virtudes. É que os homens podem ser mais ariscos que os peixes. Custam a morder a isca. Preferem remexer no lodo do fundo. Preferem a vida errante, sem compromissos. O evangelizador passará noites em claro, seguirá por rotas perigosas e, não raro, voltará de mãos vazias. No caso de André, o Apóstolo não se abalaria com nada disso. Afinal, já tinha experiência anterior. Estava calejado, sem sonhos românticos e sem falsas ilusões…
Em nosso caso, trazemos a experiência de família, da escola, do trabalho – e nada disso se perde quando vem a hora de anunciar ao mundo o Evangelho de Jesus. Cada um com seu dom, eis a Comunidade evangelizadora em sua missão. Porteiros e auxiliares da limpeza, músicos e pregadores, administradores e conselheiros, todos somam habilidades e serviços indispensáveis para o Reino de Deus. E quanto mais essa cooperação se efetivar no amor, tanto mais farta será a pescaria, tanto mais fértil a colheita. E poderemos voltar os olhos para o passado, mesmo ali onde abundou o pecado, e dar a graças a Deus que nos chamou ao seu serviço.
Enfim, como escreveu Jean Vanier, o fundador da Comunidade da Arca, “nós não somos chamados a fazer coisas extraordinárias, e sim coisas ordinárias, porém, com um amor extraordinário”.

Orai sem cessar: “Eis que vim para fazer a tua vontade.” (Hb 10,9)

Anúncios

2 pensamentos sobre “PESCADORES DE HOMENS… (Mt 4,18-22) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s