CASA DE ORAÇÃO… (Lc 19,45-48) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança

vendilhõesO Evangelho de hoje manifesta o zelo de Jesus pela Casa do Pai. É evidente a sua percepção do caráter “sagrado” do ambiente do Templo. Sua acusação contra os profanadores é acentuada pelo áspero contraste entre duas definições: casa de oração X antro de salteadores!
Boa ocasião para refletir sobre nossas atitudes no interior do templo. Ainda mais nas igrejas católicas, onde a presença eucarística – Jesus Cristo vivo nas espécies consagradas! – torna-se muito mais exigente em termos de respeito, veneração, adoração. Muito além da “função” do edifício consagrado a Deus, a “presença real” do Senhor questiona nossas atitudes na igreja, o modo de vestir, até mesmo o repertório musical e o modo de executar os instrumentos.
Òbvio, nem tudo vai bem. Roupas pouco decentes, chicletes colados aos bancos, clima de bate-papo descontraído, canções profanas no culto divino, o “Tema de Lara” (tema da concubina no filme “O Doutor Jivago”) em pleno matrimônio cristão, como fundo para a entrada da noiva, bateria espalhafatosa, que impede a interiorização e a intimidade com Deus, e os “bailes cristãos” bailados no mesmo espaço da celebração eucarística…

A “Congregação para o Culto Divino” (novembro/1987), recordava a finalidade do espaço sagrado: “Desde a antiguidade, se chamou igreja o edifício em que a comunidade cristã se reúne para escutar a palavra de Deus, para orar unida, para receber os sacramentos e para celebrar a Eucaristia, e para a adorar nele como sacramento permanente. As igrejas não podem ser consideradas como simples lugares públicos, disponíveis para qualquer tipo de reuniões. São lugares sagrados, isto é, “separados”, destinados de modo permanente ao culto de Deus, desde o momento de sua dedicação ou da bênção.” Os templos são “sinais da Igreja peregrina aqui na terra, imagens que anunciam a Jerusalém celestial, lugares em que se atualiza o mistério da comunhão de Deus com os homens, sinal da permanência de Deus entre nós”.
Daí, a advertência: “Quando as igrejas são utilizadas para outras finalidades diversas da própria, põe-se em perigo a sua característica de sinal do mistério cristão, com consequências negativas, mais ou menos graves, para a pedagogia da fé e a sensibilidade do povo de Deus, tal como recorda a palavra do Senhor: ‘A minha casa será casa de oração’ (Lc 19,46)”.
Quem nos vê na igreja sabe que Deus está presente?

Orai sem cessar: “Louvai a Deus no seu santuário!” (Sl 150,1)

Anúncios

Um pensamento sobre “CASA DE ORAÇÃO… (Lc 19,45-48) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança

  1. I simply want to say I’m new to blogging and site-building and actually liked this web-site. Most likely I’m planning to bookmark your site . You really come with superb well written articles. Bless you for sharing your website.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s