E DÃO FRUTO COM SUA PERSEVERANÇA… (Lc 8,4-15) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

perseverançaEm geral, os comentaristas da “parábola do semeador” se detêm em fazer a distinção entre a natureza dos “quatro terrenos”, como se o resultado da semeadura fosse mera reação automática, natural, devida simplesmente às qualidades do terreno. Boa terra, muitos frutos; terra ruim, esterilidade.
Até que seria bom, se assim fosse. Se não déssemos fruto, poderíamos justificar-nos por nossa “natureza”: eu sou assim. Pedregoso. Espinhento. Deserto sáfaro. Logo, não teríamos qualquer culpa nem responsabilidade pelo fracasso da colheita. “Afinal, eu não pedi para alguém investir em mim!” Mas não foi bem isto que Jesus ensinou. Além do “coração reto e bom”, que ouve e acolhe a palavra, o Mestre fala da “perseverança”. E isto não é “natural”. É sobrenatural! Depende de um esforço disciplinado da pessoa que decide cooperar com a graça de Deus, com sua Palavra, com a “semente” depositada em nosso coração. Os frutos da graça de Deus em nós exigem tempo, permanência, continuidade.
A perseverança é uma virtude fundamental. O próprio Senhor já nos havia alertado: “Sereis odiados de todos por causa de meu nome; mas aquele que perseverar até o fim, será salvo”. (Mt 10,23.) E ainda: “Diante do progresso crescente da iniquidade, a caridade de muitos se esfriará. Entretanto, aquele que perseverar até o fim será salvo”. (Mt 24,12-13.)
Ao afirmar que “eram muitos os chamados, mas poucos os escolhidos”, o Mestre não pensava em algum tipo de predestinação, com pessoas previamente selecionadas por Deus para a perdição eterna. Devia, ao contrário, ter em mente a nossa volubilidade em relação às coisas do Reino, nossa inércia em dar continuidade à missão iniciada, a prontidão em desanimar diante dos obstáculos oferecidos pelo Mal.
A perseverança, por incrível que pareça, é inseparável da confiança. Em outra parábola (cf. Mc 4,26-29), Jesus fala do homem que lança a semente à terra e, em seguida, dorme. E enquanto ele dorme, a semente brota e cresce. Isto é, feita a sua parte, confia em Deus e a ele se abandona, sabendo que o Reino traz em seu interior um dinamismo que garante seu crescimento. Não precisa, todos os dias, cavar em volta da semente lançada a terra (como fazem as crianças a quem a professora mandou plantar um feijão no potinho de iogurte!), para ver se o grão está brotando.
Todo desanimado é um desconfiado. Por isso não persevera. Não dá fruto…
 
 
 
Orai sem cessar: “Senhor, onde passastes, ficou a fartura!” (Sl 65,12)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s