UMA REDE LANÇADA AO MAR… – (Mt 13,47-53) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

redeQuem foi pescador sabe muito bem o que se experimenta na pescaria: ansiedade, esperanças, alegrias e decepções. Nesta parábola, o Mestre de Nazaré fala de uma rede lançada ao mar: puxada de volta, traz consigo todo tipo de coisas. Em alguns manuscritos, o copista acrescentou o genitivo “piscium” (= de peixes), para nos dar como tradução “todo tipo de peixes”. Mas já pescamos tanta porcaria! Sapatos velhos, latas enferrujadas, linhas e anzóis de outras pescarias, galhos de árvore e até um cágado enxerido que foi beliscar onde não devia! Nunca se sabe o que vai sair das águas… Quando as redes são recolhidas, os pescadores se entregam à faina de separar o que presta (como os peixes bons) daquilo que não tem valor. Um processo de exame e separação. E Jesus usa esta imagem para fazer referência à “malha fina” do Juízo Final, no fim dos tempos.
Quando rezamos o “Símbolo dos Apóstolos” (o Credo), professamos nossa fé em Jesus Cristo, que há de vir a julgar os vivos e os mortos. Cremos no Juízo Final. Dele nos fala o “Catecismo da Igreja Católica” (nº 1038ss) como aquela “hora em que todos os que repousam nos sepulcros ouvirão sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para uma ressurreição de vida; os que tiverem praticado o mal, para uma ressurreição de julgamento (Jo 5,28-29).
“Então Cristo ‘virá em sua glória, e todos os anjos com Ele. E serão reunidas em sua presença todas as nações, e Ele há de separar as ovelhas dos cabritos, e porá as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Estes irão para o castigo eterno, e os justos irão para a Vida Eterna’. (Mt 25,31-33.46.)”
De novo, uma imagem de “separação”. E, ao mesmo tempo, a revelação do bem que fizemos ou deixamos de fazer durante nossa passagem terrestre. Refletir sobre esta realidade que nos aguarda, leva a compreender nossa responsabilidade sobre o precioso tempo que nos foi dado. Uma única oportunidade de descobrir o amor e nele crescer.
Seria cômodo ter uma segunda (ou terceira) oportunidade… A hipótese da reencarnação agrada a muita gente, enquanto estrada larga… Mas Jesus nos ensinou de outra forma: logo após nossa morte (com as redes já recolhidas), seremos separados…
Que tipo de peixe somos nós?
Orai sem cessar: “Senhor, dá-nos um lugar entre as ovelhas!” (Missa de Finados)
Anúncios

3 pensamentos sobre “UMA REDE LANÇADA AO MAR… – (Mt 13,47-53) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s