NEM DINHEIRO NA CINTURA… (Mc 6,7-13) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

NEM DINHEIROUm aviso prévio: os homens práticos e pragmáticos ficam dispensados desta humilde reflexão. Não é para eles. Os pragmáticos não se preocupam tanto com os objetivos, mas com os meios. Não tanto com o “quê fazer”, mas “como fazer”. E – claro! – para fazer qualquer coisa, precisamos de… DINHEIRO!!!
Ora, no Evangelho de hoje, quando Jesus envia seus Doze Apóstolos em missão (uma espécie de “estágio supervisionado”?), encarregados de expulsar demônios, curar os doentes e anunciar a chegada do Reino de Deus, a única advertência prática que receberam foi a respeito da vida simples e sóbria. Não levem pão. A Providência proverá a comida no caminho. Não levem sacola com os apetrechos de viajante. Será peso morto. Não levem dinheiro. Vivam como quem depende…
E aí está a essência do ensinamento do Mestre Jesus: o missionário deposita sua confiança apenas em Deus. Não confia em seus recursos pessoais, sejam eles a ilustração intelectual, os dotes da oratória ou os “meios” que os pagãos utilizam para realizar seus projetos: a amizade dos poderosos, as verbas estatais, a técnica moderna ou, acima de todos os ídolos, o dinheiro.
Sim, eu sei que estes “meios” podem simplificar ou facilitar os trabalhos humanos, mas complicam a vida de quem se serve deles. E o técnico acaba escravo de sua técnica. O possuidor passa a servo da coisa possuída. E logo precisamos de barreiras, cercas eletrificadas, cães ferozes para proteger as coisas que acumulamos, ainda que o tenhamos feito em nome da missão.
Como iriam esses missionários anunciar um novo Reino se continuassem a ser regidos pelos mesmos “poderes” do mundo pagão? Por que será tão difícil perceber que pobreza, castidade e obediência são os sinais do novo Reino?
Ao enviar seus Apóstolos, Jesus pensa em gente “livre”. Escravos não podem anunciar a liberdade da Boa Nova. Logo estarão comprometidos com a gente dos palácios e acharão incômoda a aproximação do povo simples. E se o leitor já está pensando em Francisco de Assis, parabéns! Leitor inteligente!
Na sua origem, os Institutos religiosos foram todos pobres. Seus membros eram pobres, felizes e eficientes em sua missão. Com o tempo, as doações dos fiéis e o fruto do próprio trabalho, acabaram acumulando trastes à sua volta: terras, prédios, bibliotecas, ostensórios de ouro com pedrarias cravejadas. Sem o querer, gastam todo o seu tempo a administrar esses bens. Sem o notar, tornaram-se ricos e… precisaram construir muros e defesas.
Não me espantaria se, agora, tivessem medo dos pobres…

Orai sem cessar: “Sou pobre e necessitado, mas o Senhor pensa em mim!” (Sl 40,18)

Anúncios

Um pensamento sobre “NEM DINHEIRO NA CINTURA… (Mc 6,7-13) – Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s