“NÃO JULGUEIS!” (Mt 7, 1-5) – Texto de Antonio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança

juízo

Somos uma sociedade contabilizada. Nossa vida é gravada em um livro com três colunas: DEVE / HAVER / SALDO. E se alguém deve, tem de pagar! Todo mundo estranha quando se fala em perdão, rasgar faturas, zerar a conta. Como quando os filhos de Aldo Moro foram à TV para dizer que perdoavam, de todo o coração, aos membros das Brigadas Vermelhas que sequestraram e executaram seu pai. Ou quando João Paulo II foi à cadeia para dar o perdão ao terrorista que tentara matá-lo.

Quando um crime com traços de barbárie vem a público, muitas vozes se erguem para clamar por pena de morte, quando o criminoso não é linchado pela população antes da chegada da polícia. Tomamos a justiça nas próprias mãos. Sentimo-nos capazes de avaliar os impulsos que levaram o criminoso ao crime. Talvez devamos confessar: alimentamos ódio pelo criminoso…

Aí, vem Jesus – que será nosso Juiz, no Juízo Final – a ordenar: “Não julgueis”… E acrescenta: “Para não serdes julgados”… Lembra nossa condição de réus: todos nós devemos passar por um “juízo particular” ao final de nossa vida (cf. Hb 9,27). Na Segunda Vinda, o Senhor “há de vir a julgar os vivos e os mortos”, professamos no Símbolo dos Apóstolos. Logo, não estamos em condição de bancar o promotor nem o magistrado que condena conforme a lei.

E se ainda fosse pouco, Jesus acrescenta: “Com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos”. O rigoroso encontrará rigor. O impiedoso terá impiedade. O misericordioso achará misericórdia. E Deus ama os criminosos como os pais continuam amando os filhos pródigos.

Sabendo disso, S. Teresinha do Menino Jesus, ainda adolescente, ao ter notícia de um criminoso que seria levado à guilhotina, resolveu adotá-lo como “seu filho”. E pediu a Deus um sinal de sua conversão. Na hora do cadafalso, registram os jornais da época, Henri Pranzini tomou o crucifixo das mãos do sacerdote e beijou-lhe as chagas. Já no Séc. XX, também Marthe Robin ofereceu suas dores e preces por Jacques Fesch, um homicida. Na prisão, o criminoso voltou-se para Deus e morreu com fama de santidade. Seu diário justifica tal fama.

Com certeza, haverá muitas surpresas no outro mundo. Certas ausências no céu (e certas presenças no inferno) confirmarão a frase de Jesus: “Não julgueis!”
Sei perdoar? Compreender os erros? Ou prefiro julgar e condenar?

Orai sem cessar: “Este miserável clamou e o Senhor o ouviu!” (Sl 34,7)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s